sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Vinho em terras de sol


Nos últimos anos, os vinhos algarvios alcançaram uma qualidade nunca antes vista.  O paladar dos portugueses ainda não é suficientemente atrevido, raramente procura descobrir novidades fora das regiões que já conhece, mas agora há vinhos de outras paragens menos divulgadas que vale a pena provar. Os vinhos algarvios são bom exemplo disso.  E' certo de que não serão mais conhecidos que outros produtos da região como os citrinos, as amêndoas, os figos ou o licor de medronho que aqui se produzem tradicionalmente, mas aos poucos têm vindo a ganhar novo folêgo e a conquistar o seu lugar ao sol.

No Algarve, a qualidade dos vinhos é recente, mas a verdade é que a existência e a importância da vinha no sul português remontam aos Tartessos, que terão sido o primeiro povo a produzir vinho na região, cerca de 2000 anos a.C. Outros povos lhes seguiram o exemplo, dos Fenícios aos gregos, dos Celtas aos Romanos, que ao cristianizarem a Península introduziram o vinho nas celebrações religiosas. Mais tarde, a importância da vinha e do vinho é mais uma vez reconhecida ao ser referenciada nos forais de Tavira (em 1266, por . Afonso III) e de Porches (em 1286, por D. Dinis). No entanto, e já no final do século XX, o cultivo da vinha decaiu perante outras actividades mais prósperas e  rentáveis ao turismo.

Mas agora os tempos são outros e, entre as atracções gastronómicas do Algarve, também está o vinho. A sua qualidade actual é evidente, resultado da evolução enológica e da introdução de novas técnicas de viticultura e de castas que tão bem se adaptaram ao terreno. De origem Arenosa ou argilosa, o solo é a base de plantação de castas tão variadas como a Trincadeira, Touriga Nacional e o Aragonez (tintas), ou a Arinto, Malvasia fina ou Moscatel graúdo (brancas), entre outras tantas nacionais e estrangeiras que foram adoptadas pela região e que dão origem a interessantes vinhos brancos, rosés, tintos ou licorosos.

O clima ajuda. O Algarve é uma zona bem definida, caracterizado pela  proximidade do mar, pelo sol, pela vegetação natural e por uma cultura marcada pela longa ocupação árabe. A localização meridional e a protecção assegurada pela barreira montanhosa contra os ventos frios do Norte, assim como a exposição em anfiteatro virado ao Sul, definem  um clima acentuadamente mediterrânico: quente, seco, pouco ventoso, com amplitudes térmicas muito reduzidas e uma média de insolação acima das 3000 horas de sol por ano.Actualmente existem no Algarve quatro Denominações de Origem Controlada (DOC): Lagos, Portimão, Lagoa e Tavira onde, nos últimos anos novas marcas de vinho surgiram no mercado, produzidas por diversos podutores entre os quais a Quinta do Morgado da Torre, a Quinta do Francês, Paxá Wines, a Quinta do Barranco Longo e a Adega do Cantor (esta última pertencente ao cantor britânico Cliff Richard).


Fonte: http://www.mariajoaodealmeida.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário