quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

A uva Monastrell


A monastrell é a quarta uva mais cultivada na Espanha, seu país natal, e parece estar em ascensão. Em parte, graças ao interesse despertado pelos bons resultados que vem apresentando em países fora do eixo europeu, notadamente nos EUA (Califórnia) e na Austrália (Barossa Valley).

A recente valorização que tem obtido na França, na composição de cortes no Vale do Rhône, (como no famoso GSM: grenache, syrah, mourvèdre – como é conhecida em solo francês) também tem contribuído para esse destaque. E, por fim, os surpreendentes varietais produzidos com a monastrell em chão espanhol, incomuns até há pouco tempo, e sua personalidade única são fatores que têm atraído a curiosidade de enófilos por todo o mundo.


Origem e cultivo da monastrell

Difundida por um longo trecho da orla mediterrânea da França e da Espanha, a monastrell tem o seu berço creditado a este último, país onde encontramos a maior extensão de vinhedos nos quais é cultivada, cerca de 43.000 ha.

Na região sul da França essa uva é muito comum. Do Languedoc à Provence é utilizada em cortes com a grenache e a sinsault nos rosés. No Rhône ela está presente em cortes tintos, como o citado no início do post (o GSM). Especificamente na Provence, encontramos uma expressão excelente da monastrell nos rubros da denominação Bandol, que obrigatoriamente não podem ter em sua composição menos de 50% dessa uva.

Hoje, além da Europa, essa casta também pode ser encontrada em alguns países do chamado “Novo Mundo do Vinho”, como EUA e Austrália, que são os dois principais depois dos europeus.


Sinônimos da uva monastrell

Como outras uvas, conforme sua região de produção apresenta nomes diferentes. Mas entre todos eles, o mais conhecido é de origem francesa: mourvèdre, derivado de Morvedre (ou Murviedro), antigo nome da cidade de Sagunto em Valência, no território espanhol. No Novo Mundo o nome mais comum é mataro – provavelmente inspirado na cidade de Mataró, na Catalunha – e, com menos frequência, esparte.


Características dos vinhos de monastrell

Essa variedade de maturação média/tardia prefere clima quente para completar seu longo ciclo fenólico e amaciar os taninos abundantes que pode concentrar. Por isso, seus vinhos podem ter grande concentração de cor, taninos bem marcados, média acidez e por vezes alta graduação alcoólica.

Os apreciadores de vinhos com aroma e sabor frutado podem se surpreender ao encontrar nos vinhos desta uva aromas destacados de notas animais, como couro, almíscar e toques terrosos. Frutas vermelhas também estarão presentes, mas em alguns exemplares serão coadjuvantes.


Harmonizações com os vinhos de monastrell

Esses vinhos pedem por pratos que combinem com o teor de taninos, portanto as carnes são bem vindas. Costela de boi, picanha, costelinha suína, embutidos e charcutaria em geral, principalmente acompanhadas com molhos de ervas finas, que combinam sobremaneira com os aromas do vinho.

A dica para os vegetarianos são pratos com ingredientes de sabores terrosos, como os cogumelos (Portobello, Shitake, Funghi Secchi, Morilles, etc), o arroz negro, e as lentilhas. Molhos com um toque de shoyu (molho de soja) podem dar mais brilho à harmonização com esses ingredientes.


Fonte: http://www.sommelierwine.com.br (Por Sommelier Wine  Lucas Cordeiro)

Nenhum comentário:

Postar um comentário