domingo, 8 de abril de 2012

A Tinta Carmenére



A uva Carménère é uma casta originalmente plantada em Medóc, região de Bordeaux na França, onde era usada para produzir vinhos tintos profundos e, ocasionalmente, utilizada para fins de mistura da mesma forma com a Petit Verdot.

A Carmenére é um membro da família de uvas Cabernet, seu nome provém da palavra francesa para carmin (Crimson), que se refere à cor carmesim brilhante da folhagem de outono antes da queda das folhas. A uva também é conhecida como Grande Vidure, sinônimo histórico de Bordeaux, embora a atual regulamentação da União Européia proíba importações chilenas sob este nome para a União Européia. Junto com a Cabernet Sauvignon, Cabernet franc, Merlot, Malbec e Petit Verdot, a Carménère é considerada parte das seis cepas tintas originais de Bordeaux, na França.

Agora, raramente encontrada na França, a maior área plantada do mundo com esta variedade está no Chile na América do Sul, com mais de 4.000 hectares (em 2006) cultivadas no Vale Central. Como tal, o Chile produz a grande maioria dos vinhos Carménère disponíveis hoje e, como a indústria vinícola chilena vem crescendo muito, muitas experiências vem sendo realizadas com a Carmenére atuando como uma cepa em blends, principalmente com a Cabernet Sauvignon.

A Carménère também cresceu no Leste da Itália, Veneto e as regiões de Friuli-Venezia Giulia. Existem plantações também, só que em menor quantidade, na Califórnia e regiões Walla Walla dos Estados Unidos.
Características

Os vinhos da Carmenére tem uma cor vermelha intensa e aromas encontrados em frutas vermelhas, especiarias e frutos. Os taninos são delicados e mais suaves do que os da Cabernet Sauvignon e é um vinho de corpo médio. Embora usado principalmente em assemblages, as vinícolas fazem também vinhos monovarietais que, quando produzidos a partir de uvas de maturação ideal, possuem um sabor frutado de cereja, umaça, picante, notas terrosas e uma cor vermelho vivo. Seu gosto também pode possuir notas sutis de chocolate, tabaco e couro. É um vinho que preferencialmente deve ser bebido ainda jovem.


Origem

Uma das variedades mais antigas da Europa, a Carmenére é considerada como antecedente de outras variedades mais conhecidas, alguns consideram a uva como "um clone de longa data da Cabernet Sauvignon”. É possível que o nome da variedade seja um apelido para o que é realmente o Vidure, um nome local de Bordeaux para um clone da Cabernet Sauvignon que se pensava ser a uva a partir da qual todas as variedades de bordô se originaram.

Existem também sugestões que a Carmenére pode ser a Biturica, uma videira muito elogiada na Roma antiga e também o nome pelo qual a cidade de Bordeaux era conhecida naquela época. Essa variedade antiga originada na Península Ibérica (Espanha moderna e Portugal), de acordo com Plínio, o Velho, na verdade, é atualmente uma variedade popular da mistura com Sangiovese da Toscana chamada "Predicato di Biturica".

A uva Carménère tem origem conhecida na região de Bordeaux Médoc, na França e também foi amplamente plantada em Graves até que as videiras foram atingidas por uma praga. É quase impossível encontrar vinhos Carménère na França hoje em dia. A praga da Filoxera destruiu, em 1867, quase todos os vinhedos da Europa, atingindo em particular as videiras Carménère, de tal forma que durante muitos anos, a uva foi considerada extinta. Quando os vinhedos foram replantados, os produtores não conseguiam replantar a Carménère que, além de serem muito difíceis de se encontrar, eram muito mais difíceis de crescer do que outras variedades de Bordeaux.


Redescobrimento

Chile

Após ser considerada extinrta, a uva Carménère foi redescoberta em alguns locais fora da França. Durante os últimos 150 anos, os produtores Chilenos preservaram, quase inadvertidamente, a variedade da uva que, durante estes anos, era confundida com a Merlot.

Mudas de Carménère originadas em Bordeaux foram importados pelos produtores chilenos durante o século 19, mas estas eram freqüentemente confundidas com a Merlot. Eles modelaram suas adegas, e as Uvas, incluindo a Carmenére, foram plantadas em vales em torno de Santiago. Graças a pouca chuva existente no Chile durante a época de cultivo e à proteção das fronteiras naturais do país, os agricultores produziram culturas de Carménère saudáveis e não houve disseminação da filoxera. Durante a maior parte do século 20, como já falamos, a Carménère foi inadvertidamente coletada e processada em conjunto com uvas Merlot (provavelmente atingindo até 50% do volume total), dando ao Merlot chileno propriedades muito diferentes dos Merlot produzido em outros lugares. Produtores chilenos acreditaram então que esta uva era um clone de Merlot e era conhecido como Merlot seleção ou Peumal Merlot (Vale Peumo no Chile). Em 1994, o professor Jean-Michel Boursiquot da escola de Montpellier, de Enologia, confirmou que uma vinha antes de maturação era na verdade uma Carmenére de Bordeaux e não Merlot. O Departamento de Agricultura do Chile reconheceu oficialmente a Carmenére como uma variedade própria em 1998. Desde então a Carménère cresce principalmente no Vale do Colchagua, Vale do Rapel, e na província de Maipo.


Itália

Uma situação semelhante ocorreu na Itália, quando, em 1990, a Ca 'del Bosco Winery adquiriu o que eles pensavam serem videiras de Cabernet Franc provenientes de um viveiro francês. Os produtores notaram que as uvas eram diferentes dos tradicionais Cabernet Franc, tanto em cor como em sabor. Eles também perceberam que as videiras amadureciam mais cedo do que as tradicionais Cabernet Franc. Outras regiões vinícolas italianas começaram a duvidar da origem destas vinhas, e, finalmente, descobriram que se tratava da Carmenére. Em 2007, a uva Carmenére foi autorizada a ser utilizada em vinhos italianos DOC de Veneto (Arcole, Bagnoli di Sopra, Cori Benedettine del Padovano, Garda, Merlara, Monti Lessini, Riviera del Brento e Vicenza), Friuli-Venezia Giulia (Collio, ou Collio Goriziano) e Sardenha (Alghero).


Outras Regiões

Na França dos dias de hoje apenas algumas centenas de hectares de Carmenére existem oficialmente, embora existam rumores de um interesse renovado entre os produtores de Bordeaux.

Carménère também foi estabelecida em Walla Walla, em Washington e na Califórnia, ambos nos Estados Unidos. Na década de 1980, Karen Mulander-Magoon, o co-proprietário de imóveis e Guenoc Langtry Winery, no condado de Lake na Califórnia, trouxe a uva para a vinha. Foi um empreendimento em conjunto com Pierre Louis Pradier, um cientista francês e viticultor, cujo trabalho envolveu a preservação da Carmenére da extinção na França.

Na Austrália, três cortes de Carménère foram importados do Chile pelo renomado, e expert em Vinhos, o Dr. Richard Smart, na década de 1990. Após dois anos de quarentena, apenas um dos cortes sobreviveu ao tratamento térmico para eliminar vírus. As primeiras videiras do viveiro foram plantadas em 2002 pela Amietta Vineyard and Winery no Vale Moorabool (Geelong, Victoria).

A Carmenére também foi estabelecida, em pequenas quantidades, na Nova Zelândia. Testes de DNA confirmaram, em 2006, que as plantações de Cabernet Franc na região Matakana na verdade também se tratavam da Carmenére.


Diferenças da Merlot

A investigação genética mostrou que a Carmenére pode ser uma parente distante da Merlot e as semelhanças na aparência de ambas vem relacionando as duas cepas há séculos. Apesar das semelhanças, existem algumas diferenças notórias que facilitam a identificação das duas videiras. Quando jovem, a Carmenére têm uma tonalidade avermelhada por baixo, enquanto que as folhas da Merlot são brancas. A Merlot também amadurece duas a três semanas mais cedo do que a Carmenére. Nos casos em que as vinhas são intercaladas com as duas variedades, a época de colheita é fundamental para determinar o caráter da mistura resultante. Se as uvas são colhidas antes, quando só as uvas Merlot alcançaram maturidade, a Carménère terá um sabor de pimenta verde agressivo.

Assim, embora diferentes, a Merlot e a Carmenére eram muitas vezes confundidas, mas nunca se pensou serem idênticas. Por isto mesmo que a Merlot do Chile, por exemplo, quase gerou uma “nova Mertot”, ou a "Merlot Peumal", que acabou sendo uma referência geográfica a um vale ao sul de Santiago, onde os lotes de Carménère eram cultivados antes que sua verdadeira identidade fosse descoberta.


Fonte: Enoleigos

Nenhum comentário:

Postar um comentário